domingo, 16 de abril de 2017





Páscoa - Como Tudo Começou

Thomas C. Simcox
De todas as celebrações de Pessach (a Páscoa judaica), apenas uma foi a verdadeira. Ela aconteceu mais de 34 séculos atrás, quando o Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó estava fazendo os preparativos para libertar Seu povo escolhido da escravidão no Egito.
O Senhor havia enviado Moisés e seu irmão Arão a Faraó para exigir que fosse permitido aos israelitas irem para o deserto a fim de adorá-lO. Faraó se recusou a dar a permissão. Então, Deus atacou o Egito com nove pragas devastadoras. Mesmo assim, Faraó ainda se recusou a permitir que os israelitas deixassem o Egito.
Então, Deus falou a Moisés: “Ainda mais uma praga trarei sobre Faraó e sobre o Egito. Então, vos deixará ir daqui; quando vos deixar, é certo que vos expulsará totalmente” (Êxodo 11.1).
Deus, como sempre, fez como havia prometido. A décima praga é a chave para o feriado de Pessach porque envolve o cordeiro pascal.
A décima praga foi a morte de todos os primogênitos machos, tanto seres humanos quanto animais. E, diferentemente das nove pragas anteriores, que nunca afetaram Gósen, onde moravam os israelitas, essa praga afetaria a todos.
O Senhor também usou a décima praga para ensinar aos israelitas o princípio bíblico da redenção por meio de um substituto. Ele disse a Moisés: “Consagra-me todo primogênito; todo que abre a madre de sua mãe entre os filhos de Israel, tanto de homens como de animais, é meu” (Êxodo 13.2). Se os israelitas deixassem de seguir as instruções de Deus, esses primogênitos morreriam, juntamente com os primogênitos dos egípcios.
Lutero
Deus disse aos israelitas que escolhessem um cordeiro ou um cabrito, macho, jovem, (um por família), no décimo dia do mês de nisan e observassem seu cordeiro durante três dias para se assegurarem de que ele era “sem defeito” (Êx 12.5). Depois, as instruções foram:“e o guardareis até ao décimo quarto dia deste mês, e todo o ajuntamento da congregação de Israel o imolará no crepúsculo da tarde. Tomarão do sangue e o porão em ambas as ombreiras e na verga da porta, nas casas em que o comerem” (Êxodo 12.6-7).
O Senhor também lhes disse: “naquela noite, comerão a carne assada no fogo; com pães asmos e ervas amargas a comerão. Não comereis do animal nada cru, nem cozido em água, porém assado ao fogo: a cabeça, as pernas e a fressura” (Êxodo 12.8-9).
Deus não estava interessado nas preferências pessoais deles com relação ao preparo dos alimentos. Os cordeiros deveriam ser preparados de acordo com o que Deus falasse, e nada dos animais deveria ser guardado. “Nada deixareis dele até pela manhã; o que, porém, ficar até pela manhã, queimá-lo-eis” (Êxodo 12.10).
Naquela noite, com o sangue na verga de suas portas, o povo judeu sentou-se em suas casas e comeu o cordeiro pascal. Eles não deveriam sair das casas. Quando Deus via o sangue nas portas, Ele protegia aquela família do destruidor que passou pela terra à meia-noite (Êx 12.29). Onde não havia sangue, os primogênitos machos daquelas famílias do Egito, inclusive a do Faraó, morreram.
O julgamento deu a vitória ao Deus de Israel e expôs a impotência dos ídolos e falsos deuses do Egito.
Os elementos-chave da Páscoa original eram o cordeiro assado, ervas amargas e pão sem fermento. Os sêderes (ceias pascais) de hoje são muito diferentes. O cordeiro é substituído pelo osso da canela (parte da perna abaixo do joelho) de um cordeiro, chamadozerah em hebraico. As ervas amargas permanecem, bem como o pão sem fermento(matzoh). Mas outros elementos foram acrescentados, e o feriado foi transformado de um tempo sóbrio de apreensão em uma celebração alegre de libertação.

Embora hoje Pessach seja substancialmente diferente da observação original, ela ainda aponta claramente para o profundo amor de Deus por Israel e a libertação física que Ele proporcionou ao povo judeu.
A principal mensagem de Pessach,logicamente, é a redenção. É sobre o plano de Deus para redimir Israel da escravidão. Todavia, ela contém paralelos maravilhosos para a cristandade:
1. O cordeiro foi observado durante três dias para se certificarem de que ele era perfeito, sem nenhum defeito. Jesus foi cuidadosamente observado durante Seus três anos de ministério na terra e foi declarado inocente pelo governador romano, Pôncio Pilatos, que afirmou: “eu não acho nele crime algum” (Jo 19.6). João Batista, um levita, disse de Jesus: “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!‘ (João 1.29).
2. Imediatamente após a Páscoa, é celebrada a festa de sete dias dos Pães Asmos (sem fermento). Na Bíblia, o fermento representa o pecado. Portanto, durante estes sete dias, o povo judeu observador da Lei se abstém de comer todos os produtos que contêm um agente levedador, como o fermento. A Escritura ensina que Jesus, o Deus-Homem, era perfeito – sem defeito, sem pecado – tornando-se o perfeito sacrifício para um Deus santo e justo.
3. Finalmente, vem o feriado dos Primeiros Frutos (Primícias, Lv 23.9-14). De acordo com a Bíblia, essa festa deveria ser observada “no dia imediato ao sábado” (Levítico 23.12).Embora haja algum desacordo quanto ao que essa instrução significa, a festa das Primícias claramente cai durante Pessach. No cristianismo, essa festa é associada à ressurreição de Cristo. Como escreveu o Apóstolo Paulo:
Mas, de fato, Cristo ressuscitou dentre os mortos, sendo ele as primícias dos que dormem. Visto que a morte veio por um homem, também por um homem veio a ressurreição dos mortos. Porque, assim como, em Adão, todos morrem, assim também todos serão vivificados em Cristo” (1 Coríntios 15.20-22).
Embora hoje Pessach seja substancialmente diferente da observação original, ela ainda aponta claramente para o profundo amor de Deus por Israel e a libertação física que Ele proporcionou ao povo judeu. É também um lindo quadro de Seu amor pela humanidade por meio da provisão vinda de Deus, que é Jesus, o Cordeiro Pascal, cuja morte e ressurreição proporcionam libertação espiritual da escravidão do pecado a todos aqueles que nEle colocam sua fé. (Thomas C. Simcox — Israel My Glory — Chamada.com.br)

quarta-feira, 12 de abril de 2017





Todo Dia Com Paz

Quarta-feira 12 Abril
E Pilatos escreveu também um título, e pô-lo em cima da cruz; e nele estava escrito: JESUS NAZARENO, O REI DOS JUDEUS... e estava escrito em hebraico, grego e latim.
Porque foste morto, e com o teu sangue nos compraste para Deus de toda tribo, e língua, e povo, e nação
 (João 19:19; Apocalipse 5:9).

A INSCRIÇÃO NA CRUZ

Sob a ordem de Pilatos, o governador romano, uma inscrição foi colocada sobre a cruz que dizia: "Jesus Nazareno, o Rei dos Judeus". Sem dúvida os governantes dos judeus consideravam essa inscrição como uma provocação do governador. Eles tinham forçado a mão de Pilatos para condenar Jesus. Então ele mandou registrar que o Homem condenado era o rei dos judeus. Apesar de seus protestos ele se recusou alterar o que estava escrito: "O que escrevi escrevi". Deus agiu para proteger a verdade.
Naqueles dias Jesus era conhecido como Jesus de Nazaré; era um título depreciativo, uma vez que Nazaré era uma vila insignificante. Mas tal título era também a prova de Seu amor que O levou a ministrar entre os mais desprezados da terra. A inscrição na cruz, portanto, proclamou que Jesus de Nazaré, O rejeitado, é o Cristo, Aquele enviado por Deus. Essa é a essência do evangelho: o amor divino planejou vir a um lugar de vergonha para salvar a raça humana.
A inscrição foi escrita nas três línguas principais daqueles dias: hebraico, grego e latim. As línguas da religião, da cultura e do poder. Assim, toda a raça humana estava envolvida na morte do Senhor Jesus. Felizmente as consequências de Sua morte podem beneficiar a todos, sem exceção, desde que as pessoas O aceitem como seu Salvador. O evangelho é universal. Incontáveis vozes de toda tribo e nação louvarão ao Senhor Jesus eternamente no céu.
www.chamada.com.br

segunda-feira, 10 de abril de 2017



Você é amado!

... que me amou e se entregou por mim” (Gálatas 2.20).
Está barato! Barbada! Preço arrasador! Normalmente essas chamadas são divulgadas com grande alarde. Os prazos de validade estão vencidos ou os artigos, que há algumas semanas estavam com preços muito caros, agora estão fora de moda. Assim, a ordem é de se livrar das tralhas e bugigangas, mesmo que seja com preços baixíssimos.
Muitos filhos de Deus se sentem como se fossem pontas de estoque. Suas vidas estão repletas de trabalho cansativo, com dificuldades, preocupações e lutas. Eles ficam desiludidos quando veem outras pessoas passando voando por eles na pista principal, sem grandes esforços, enquanto eles continuam machucando seus pés na caminhada pela estreita trilha da fé. Quais são os critérios que determinam o valor da sua vida?
Conheço pessoas que adquiriram um cachorro porque não se sentiam amadas e valorizadas por mais ninguém além do seu quadrúpede, este que às vezes lhes lambe a mão com sua língua úmida, em agradecimento.
Você também tem um valor inestimável aos olhos do Senhor Jesus! Você sabia que o coração amoroso dele anseia por você? Que ele quer protegê-lo como se fosse a menina dos seus olhos e deseja se manifestar como o Maravilhoso em sua vida? Nunca se esqueça disso! Mesmo que mil abutres estejam sobrevoando sua vida e medos obscuros ameaçam sua vida: você é precioso, infinitamente valioso e amado por seu Senhor.
Que mensagem maravilhosa recebemos desde a ressurreição triunfal de nosso Senhor Jesus! O sacrifício de nosso Salvador na cruz é a resposta de Deus para nossa miséria pecaminosa e nossa falta de um lar. É incompreensível o valor maravilhoso com que Deus avaliou a sua vida! Não há ouro nem prata suficiente para compensar. Você foi comprado com o precioso sangue do Filho para ter acesso ao céu. A qualidade de uma avaliação não poderia ser expressa de maneira melhor do que através da afirmação de Deus: “Visto que você é precioso e honrado à minha vista, e porque eu o amo...” (Isaías 43.4). Será possível formular a declaração de amor de Deus de maneira mais bela do que com as palavras: “Eu a amei com amor eterno; com amor leal a atraí” (Jeremias 31.3)?
Eu gostaria de gravar essas palavras em seu coração para que você nunca as esqueça. Por isso, não entristeça ao Senhor Jesus com sua autodepreciação. O preço da sua etiqueta é muito diferente. Demonstre gratidão e honra ao Senhor Jesus e manifeste sua alegria pela maravilhosa graça na qual você se encontra. Você é considerado digno de carregar o nome que está acima de todos os nomes. Você está trajando as vestes da justiça que o Senhor Jesus comprou para você através do sangue dele. Assim, não permita ser avaliado pela escala desse mundo, pois ele mede com padrões efêmeros. O que vale para os filhos de Deus são coisas perenes, eternas: eleitos antes da fundação do mundo, previamente reconhecidos, predestinados, vocacionados, justificados e glorificados (ver Romanos 8.29). É por isso que devemos odiar o pecado. Por isso não devemos nos descuidar e arrastar nossas vestes reais nas areias do deserto deste mundo corrompido.
Somos exortados a nos conscientizarmos diariamente da dignidade de nossa condição de cristãos e a procedermos de acordo. Ser amado por Deus – que tremenda valorização! Por isso é barato demais querer contar com o apoio do mundo e depender de suas gentilezas. O coração amoroso de nosso Senhor adoece quando nos achegamos ao mundo e o abraçamos, e então nos portamos com desânimo, sem alegria e oprimidos em nossa vida diária. Você é filho dele – nunca se esqueça disso!
Recapitulando: que pensamentos o movem pela manhã, quando você põe de lado o cobertor? Diga apenas: “Senhor Jesus, sei que também hoje sou amado por ti. Que hoje minha vida seja um reflexo do teu amor por mim em minha vida!”.
Ser amado por Deus – que tremenda valorização!
A data de validade do amor de Deus não tem vencimento! Você não precisa ter medo de em algum momento sobrar como ponta de estoque e ser vendido na liquidação. Não importa que orientações você recebe na sua situação cotidiana. Você acha que o Senhor Jesus iria deixá-lo se você ainda pertence a ele, legitimamente, por toda a eternidade? O bom pastor não apaga o nome de nenhuma de suas ovelhas. Deus não usa borracha. Ele não é um comerciante que calcula os seus prejuízos. O preço absurdamente elevado que ele pagou por você faz com que essa ideia seja ridícula. No entanto, é possível perder a coroa e a recompensa eterna. É justamente isso o que não deve acontecer. Você precisa atravessar a linha de chegada na condição de vencedor, de vencer a batalha da fé para o louvor do nome dele.
E se o inimigo atacar? Se ele bufar raivosamente? – Isso é algo normal, pois ele não suporta quando os filhos de Deus andam decidida e fielmente no caminho com o Senhor Jesus. Ele fica horrorizado quando eles proclamam a vitória de Jesus. Por isso, tenha ânimo e não se atemorize; o Senhor está ao seu lado! — Manfred Paul
www.chamada.com.br